Avançar para o conteúdo
Início » Blogvovocoruja – Artigos 24h Geek Crítica | Um Dia – Artigos 24h

Blogvovocoruja – Artigos 24h Geek Crítica | Um Dia – Artigos 24h


Publicidade

Um Dia não deveria funcionar. Considere sua premissa: um garoto elegante do sul gosta de uma moça da classe trabalhadora do norte… por duas décadas. Ele cresceu em Cotswolds e planeja passar o verão depois de se formar na universidade na França “com o grupo de Marlborough”. Ela percorre os corredores empoeirados dos vilarejos com peças sobre sufrágio e faz uma pausa para encenar “Love and Affection”, de Joan Armatrading, antes de sair com alguém. Não parece plausível. Ou palpável. Ou engraçado. Ou relevante para os nossos tempos, que foram tão além dos “conflitos de classes” que não consigo pronunciar uma palavra suficientemente cruel para eles.

E ainda. Quando o terceiro romance de David Nicholls foi lançado, em 2009, conquistou todos que o leram, mesmo quem não curte o gênero de romance. Foi tão engraçado e despretensioso, tão sincero e verdadeiro. O filme com Anne Hathaway e Jim Sturgess que se seguiu foi horrível, mas vamos tratar isso como o relacionamento de recuperação instantaneamente extirpado de sua história romântica para que você possa amar novamente. Porque agora temos a versão de 2024. E é sobre essa versão que iremos focar.

Leo Woodall and Ambika Mod in One Day. Credit Ludovic Robert Netflix
Leo-Woodall-and-Ambika-Mod-in-One-Day.-Credit-Ludovic-Robert-Netflix

Uma série limitada é o formato perfeito para Um Dia, uma história de amor ao mesmo tempo épica — abrangendo 20 anos — e cotidiana, com toda a ação acontecendo em uma única data, 15 de julho, Dia de São Swithin. Cada episódio de meia hora, exceto o final comovente, cobre um dia, começando em 1988 com Dexter Mayhew (Leo Woodall) e Emma Morley (Ambika Mod) se encontrando na noite de sua formatura na universidade de Edimburgo. Isso divide a história em 14 fatias de melancolia altamente comestíveis.

Publicidade

Cada episódio é um cenário em miniatura requintado. Chega o dia 15 de julho em que Dexter, agora um apresentador de TV em crise, vai para casa visitar sua mãe e estraga tudo. Até a bicicleta ergométrica abandonada em seu antigo quarto e o vídeo de Bugsy Malone na prateleira dá a sensação de abandono. É um dia de verão em que Em e Dex pegam uma garrafa e um saco de batatinha na loja sem licença, deitam-se e assistem ao pôr do sol. E a rodada excruciante do jogo de salão. ‘Você aí, Moriarty?’ Quando Dex acidentalmente bate na cara de sua nova e ainda mais elegante namorada com um exemplar enrolado do Times.

É claro que todo o empreendimento depende de Em e Dex, que devem ser completamente críveis e amáveis, individualmente e em conjunto. Eles são extraordinários. O carisma de Woodall (The White Lotus) e o privilégio assustador, mas infinitamente perdoável, são perfeitamente definidos; Eu o perdôo mil vezes. Sua elegância não é encoberta nem glamourizada; é simplesmente tudo.

Ambika Mod (This Is Going to Hurt) é uma revelação tão grande que é difícil acreditar que este seja seu primeiro papel principal. Sua Emma é resistente, vulnerável, comprometida e implacavelmente inexpressiva. Na manhã de ressaca após o encontro, eles passam o tempo subindo no Arthur’s Seat. “Isso é uma coisa religiosa, não dormirmos juntos?” Dex pergunta. Ao que Em explica jocosamente que sua mãe é hindu e seu pai, católico não praticante: “Deus não estava envolvido”.

Mas então continuei observando. Comecei a me apaixonar por eles, fortemente. E comecei a apreciar a adorável essência shakespeariana desta história, que é sobre duas pessoas totalmente diferentes se conectando através do humor, de referências culturais compartilhadas e, acima de tudo, do tempo. E, meu Deus, isso passa tão rápido. De repente, é 15 de julho de 1991, Dex e Em estão nadando nus na Grécia e eu, como telespectadora, estou comprando cada momento. Esta crítica vai fazer um pulo temporal e vamos chegar no ano de 2007 e Dex está de volta a Edimburgo. E a partir daí as lágrimas caem com mais força.

Credit Matt Towers Netflix
Credit Matt Towers Netflix

Para os fãs de romance, o trope dos amigos que se tornam amantes muitas vezes é uma jornada profundamente satisfatória, especialmente para aqueles que amam um jogo de longo prazo. É material de Jane Austen — anos e anos de anseio e confusão, decepção e medo com uma recompensa máxima. É a antítese das comédias românticas centradas em uma perseguição breve, dramas românticos como Um Dia abraçam a longevidade arrasadora e cotidiana. Exemplos primordiais incluem a Trilogia do Antes de Richard Linklater, Vidas Passadas, Diário de uma Paixão, Harry e Sally – Feitos um para o Outro e Normal People. O romance de lenta combustão também se tornou uma jogada característica para as sitcoms de TV, desde Jim e Pam de The Office até Janine e Gregory de Abbott Elementary.

Assim como Marianne e Connell de Normal People, Em e Dex se conhecem melhor do que qualquer outra pessoa e os dois se ajudam nos momentos difíceis. A autopreservação por meio de brincadeiras e críticas mútuas se torna, na verdade, a honestidade que ambos desejam. A calma de Dex irrita Emma, enquanto a autodepreciação de Emma confunde Dex. Eles são a voz constante do outro lado do telefone através de casos passageiros, casos amorosos, altos e baixos na carreira, aventuras no exterior e momentos de profunda perda e escuridão. Uma maneira interessante de acompanhar a passagem do tempo é através dos tipos de telefones que eles usam para se manterem conectados, desde telefones públicos e fixos até celulares modernos.

Publicidade

Mas um dos melhores elementos do romance de Nicholls, e consequentemente da série da Netflix, é que Emma e Dexter têm permissão para viver vidas plenas de forma independente, com sua conexão trazendo à tona o melhor um do outro (ou lembrando-os disso).

Um Dia chegou no catálogo da  Netflix na última quinta-feira (8).





FONTE: ARTIGOS24.COM.BR